.posts recentes

. O poder das palavras

. A beleza

. Simplesmente nascendo

. o Termo

. A temporalidade da vida

. Sentir

. Recomeço

. Olhos nos olhos

. Os meus amados

. o mar e eu

. Tudo e tudo

. Numa madrugada

. Lágrima

. O meu amor pela vida

. Solidão

. Acabará sempre

. Poemas escritos em prata

. As horas

. A arte nas estrelas

. Poema pequeno

. Desejo

. E tudo o resto

. O que é senão a vida!

. Mais que um segundo

. Desejo

. Nascer e depois viver

. Um poema

. Amo

. O sentido das coisas

. Agnes

. Lágrima

. Amar

. Simplesmente ser

. Posso

. Nascimento

. A maré

. A magia da vida entrelaça...

. Desde pequena

. Porquê?

. Uma fábula moderna

. Anseio

. Eu

. Pinceladas

. Adoro

. Mãe

. Sofia, nome de uma Ana me...

. Cor

. A cor do céu

. Ana

. canções do mar

.arquivos

. Março 2009

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

Quinta-feira, 12 de Março de 2009

O poder das palavras

As palavras fecundadas num coração

Floreiam  o amor

Flor entre flor

Ramo entre ramo!

Sentem o riso e a dor

pintando-os com pinceladas de cores...

que só existem  dentro da gente!

Palavras que

Caminham entre espaços

Alguns... desabitados pelas pessoas…

Até por almas!

Palavras que não conseguem nascer palavras…

Por isso as mostramos por gestos… intenções!

 

        As palavras são tão complexas!

        Podem tocar tanto os sentimentos!

               Magoar ou fazer amar!

 

É preciso conceber palavras doces para corações fracos!

E é preciso formar palavras simples para corações normais!

 


publicado por cancioneiro às 20:35

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

A beleza

 

 

Brincos de pérolas

Transparentes

Cintilantes

Que adornam um rosto

 

Fatigado de ser tão belo

Alcança o limite

Relaciona a beleza

Lecciona a perfeição

 

 

Lindamente bela

Harmonia em todas as formas

Desperta desejos

Desperta os sentidos

 

Nobre

Excelente

Magnifico

Não

Linda é a palavra

Bela é a razão

 


publicado por cancioneiro às 19:37

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 28 de Agosto de 2008

Simplesmente nascendo

O nascimento é  fruto do amor!

 

No prolongamento do tempo

Forma-se um ser

Dentro do ventre da mulher!

 

Nos contornos das festas,

no seu ventre querido,

a mulher,

ama aquele feto,

deseja-o com a intensidade de um raio,

saído de um temporal!

 

Com o Parto,

 quebra-se a espera!

 

Com o Nascimento

começa um novo tempo!

 

 

 

Com aquela dor...

nasce um ser!

Com aquela dor a mulher torna-se mãe!

 

                          E com aquela dor cresce o Amor!

 

 

 

 

                                        

 


publicado por cancioneiro às 18:18

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 14 de Agosto de 2008

o Termo

                                     Vivo porque o tempo não para

                                                Quando parar

                                         Estranhamente, paro só eu!

                                        O rebuliço, na terra, perdura!

                                         Só a minha vida foi levada

                                         E com ela foi até o ”nada” !


publicado por cancioneiro às 14:01

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 13 de Agosto de 2008

A temporalidade da vida

Agora, ainda que sou vida,

Nesta terra desmesurada…

Sinto o cheiro do ar,

que rodeia o meu corpo!

Vejo a luz ténue que surge da minha janela, enquanto acordo, de mansinho!

Depois passeio descalça para sentir a chuva miudinha, que vai caindo continuamente.

E assim

Escuto o ruído da minha alma…

Ouvindo o som do silêncio!

 

                        


publicado por cancioneiro às 16:01

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 8 de Agosto de 2008

Sentir

Quando se é sentimental

Tem-se  uma aptidão especial para se sentir…

Sentir, de maneira diferente,

O franzir de um nariz arrebitado, numa cara bonita,

O sabor do sal do mar português,

Uma patinadora na sua beleza construída,

O enrolar de uma onda mansa e atrevida,

A barriga despida de uma gravidez no final do tempo…

Sentir até o vento do seu próprio sentir,

Sentir, a sua respiração e o seu sentir, separadamente.

Sentir, qualidade inata do ser

Onde tudo se pode tornar credível,

Tudo até o imaginável!

 


publicado por cancioneiro às 15:33

link do post | comentar | favorito
|

Recomeço

 

   É só um começo… leve…

 

 

 

Deixar voltar a soprar palavras que nascem dentro de mim!

Que declamam a melodia

Que dão formam à novidade

Que coloram a brancura das almas

Que , fundidas, retiram o desbotado das imagens

Deixar… criar o que me vai cá dentro!

  

 

 

       Tanto posso chorar como rir à velocidade do vento!

       Tanto as palavras podem magoar como comover corações!

       Tanto podem significar algo como serem vazias, como o eco da existência!

 

 


publicado por cancioneiro às 15:30

link do post | comentar | favorito
|

Olhos nos olhos

                          

 

Aqueles olhos azuis

Estremeceram

Ao olharem para a inocência de mulher…

Que passava

Nesse momento

Naquela rua

Onde se encontrava por puro mero acaso!

 

Aqueles olhos castanhos

Simples castanho,

Sobressaltaram-se…

Quase choraram

Quando  a perfeição de um homem

Passou a seu lado

 Com uns olhos azuis…

E lhe tocou na alma!

 

Dois olhares!

Em silêncio!

 

A beleza e a candura a amarem-se

Mutuamente em segredo!

 

Escondidos dento de si…

Amordaçados sem saber que havia uma verdade

Que podia vingar!!

 

 

 

 

 

 

 

Enfim…

O belo não soube que a candura feminina que passou

Por um minuto

Naquela rua

O amou

A inocência desconheceu

Que aqueles olhos azuis,

Que se cruzaram com os seus…

E que ela  tanto desejou

Olharam para ela

E veneraram-na!

 

Todos estes sentimentos

Em vão…!

 

Porquê?

Porque por vezes

Ao nosso lado encontra-se a nossa alma

E não nos apercebemos que a temos tão perto!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado por cancioneiro às 15:23

link do post | comentar | favorito
|

Os meus amados

Amor eterno

 

Quando os meus amados

partirem

eu me deitarei…

e em todos os amanheceres

e em todos os entardeceres

e em todos os anoiteceres

eu esperarei para ir também!

 

 

 


publicado por cancioneiro às 15:17

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 18 de Junho de 2008

o mar e eu

                                  

 

Entrei mar adentro!

As ondas,

De mansinho,

Acariciavam-me o corpo…

 

Repentinamente,

Veio uma luz desconhecida da água

que me invadiu e me tornou paz…!

 

 

O mar  estava azul

Um pouco escuro,

Mal se via o seu fundo…

Mas lá na sua profundidade retirei uma concha.

Uma simples concha.

Mas que representava a beleza natural da suavidade!

Escutei dessa concha uma melodia tão graciosa…

Parecendo vinda da vida celestial!

 

 

Deu-se  uma revolta repentina

Do mar…

Até aqui sereno

Adormecido…

Que me tirou do entorpecimento

Em que me encontrava!

 

A paz que senti

dava lugar, agora ,  a um estado divino de felicidade!

 

 


publicado por cancioneiro às 17:29

link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 26 de Maio de 2008

Tudo e tudo

Era dia ainda adormecido…quando acordei!

Estava a olhar ensonada para a janela, quando de repente do meu baú estimado começaram a sair mil e umas  coisas:

Eram luas,

meias luas.

Estrelas,

estrelas cadentes.

Era o céu

azul, bonito.

Era o mar

verde, estonteante.

Eram  campos

cobertos de flores, mirabolantes!

Eram flores

 a respirar da terra verdejante!

Era o amor

a querer  amar!

Era a saúde

A querer ser forte!

Era a amizade

a querer crescer!

Era a paz

A querer impor-se !

Era o beijo

A querer beijar incessantemente!

Era a verdade

A querer ser verdadeira!

Era a existência

A querer continuar a conceber!

Era simplesmente a vida

a querer ser vida…! 

 

 

 

 

 


publicado por cancioneiro às 17:06

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 22 de Março de 2008

Numa madrugada

 

Numa madrugada

Quente

Acorda

Sossegada

Imponente, Angélica

                  

E  com a sua beleza, incandescente

                   

  Sussurra ao vento

Que lhe faz balançar

Os seus cabelos acobreados...

 

 

O amor que sente

Aos turbilhões

Pelo seu tempo!

 

 

 


publicado por cancioneiro às 17:14

link do post | comentar | favorito
|

Lágrima

Uma lágrima escorregou

na minha face inconsolável!

Uma lágrima!

Simplesmente… uma lágrima deslocada ...

pois enquanto o meu espírito estava triste, essa lágrima contente estava!

 

 


publicado por cancioneiro às 17:00

link do post | comentar | favorito
|

O meu amor pela vida

Ameno é o meu amor pela vida

Calmo

Repousante

Como o cantar de um pássaro no Outono acastanhado

De folhas caídas levemente abraçadas pelo vento

De um sol sumido como que envergonhado ou cansado

De uma matiz outonal fria.

Ameno é o meu amor pela vida como amenas são as folhas,

os pássaros…para a natureza!

 

 


publicado por cancioneiro às 16:57

link do post | comentar | favorito
|

Solidão

Vou escrevendo notas de musica,

Soltas,

Num ritmo pessoal

Num papel ainda vago de conteúdo.

 

Vou pintando o meu retrato

Que desenhei na tela branca

Branca como a neve

Flutuando no ar, caindo em flocos macios.

 

Vou amando o meu destino

Solitário

Que se encontra no meio de uma multidão…

Pertencente ao mundo!

 

 

 

 

 


publicado por cancioneiro às 16:56

link do post | comentar | favorito
|

Acabará sempre

A lua ilumina o céu negro enquanto que as estrelas piscam, incessantemente, fazendo brilhar aquela escuridão celestial.

 

Futuros seres, nascerão,

vidas que crescerão…

 mas todos nós, inevitavelmente, um dia findamos!

 

Mas a lua

Tempo no tempo,

Continuará a iluminar o céu negro.

Nas horas por entre horas… entre a noite, as estrelas continuarão a fazer brilhar aquela escuridão.

 

Nós findamos!

Mesmo para quem nos ama… haverá um dia em que a dor ficará esquecida…

 Existirá uma lembrança, sim, que se vai esvanecendo.

 

         Mas que desaparecerá:

                 

               nas horas dos outros

        na correria da vida dos outros

       no tempo que não pára… dos outros!


publicado por cancioneiro às 16:53

link do post | comentar | favorito
|

Poemas escritos em prata

 

Poemas  

Escritos em prata!

Escritos na densidade de um coração que anseia voar alto,

mas que não voa por vocação!

 

Poemas  

Escritos em prata!

Escritos na limpidez dos meus princípios,

onde, consigo avistar o oceano dos meus sentimentos!

 Puros?

 São!

Mas quais os seres que puros são na totalidade?

 

Poemas escritos em prata

Delineados em forma de amor!

Poemas escritos em prata

Escritos nos rascunhos da afeição!

 

Na prata doei lágrimas…

Na prata rabisquei traços da minha alma…

Na prata embalei o que tinha para acarinhar!

Na prata sorri o irreal!

 

Na prata escrevo o sonho em palavras!

No sonho elevo desejos

Promessas em vão

Palavras caídas

Que tombam na imensidão!

 

 

Todos os poetas escrevem em prata…

 


publicado por cancioneiro às 16:49

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 7 de Agosto de 2007

As horas

 

Será que a noite já se rendeu ás estrelas ou o poente ainda continua ao longe, imponente?!

Olhei pela janela.

Vejo que o céu já está escuro.

É hora dos pensamentos navegarem…  

É hora dos apaixonados se beijarem!

É hora do sono se aliar aos sonhos!

É hora das horas andarem mais lentamente

É hora do silêncio…. da nostalgia… da dor…. do amor….

É hora de esquecer quem somos!!

 


publicado por cancioneiro às 16:14

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 10 de Julho de 2007

A arte nas estrelas

Copiar a cor de uma estrela que ilumina o céu durante a noite

Requer graça

Requer talento

Requer arte.

É a visão mais bonita do Universo!

A forma dita a  sua beleza!

O brilho a sua vaidade!

No tempo, o artista… copiando a cor das estrelas…

E as estrelas sempre a cintilar na noite negra azul do céu!

 

 


publicado por cancioneiro às 16:12

link do post | comentar | favorito
|

Poema pequeno

Canto a paz

Escrevo o hino pacifico do amor

Desenho no mar a onda,

No céu a nuvem,

E na terra,  milhões e milhões de destinos!


publicado por cancioneiro às 16:09

link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 25 de Junho de 2007

Desejo

Desejo !

 

Desejo por ver…

Desejo por possuir…

Desejo por ser…

Desejo por viver!

 

Desejo por chegar…

E quando chego desejo por começar !

 

 


publicado por cancioneiro às 16:13

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 3 de Abril de 2007

E tudo o resto

 

 

 

Nas faces geladas das pessoas que passeiam nas ruas invernosas,

Está estampada a canseira,

A solidão…

A vivência do amor…!

A força da alma!

A realidade… que quase sempre não é branda!            

 

A essência valiosa do espírito;

 O materialismo traiçoeiro;

 E a enigmática beleza do corpo, fazem parte, de um passeio no parque, onde quase já neva!

           

E o Inverno continua.

O frio congela quem passa nas ruas, nesta hora tão tardia!

E os dissabores e sabores da vida prosseguem,

Como tem que ser!


publicado por cancioneiro às 11:53

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 7 de Março de 2007

O que é senão a vida!

Ana… e os poemas que vêm da alma!

Pois se viessem do coração havia lágrimas  de comoção!

 

A todas as pessoas;

Á breve brisa que corre hoje;

 Á leveza da passagem do momento;

À  subtileza do amor;

Á frieza do ódio;

Às quedas que damos durante a caminhada, para uns quase eterna,

para outros tão breve!

Aos anos que passam inalterados sendo nós que envelhecemos!

Mas só na carne, não no espírito…!

                            Lutemos para vencer o invencível!

 

Ao pormenor de cada minuto…

Jamais igual

Para sempre diferente…

                                 Amemos o poder da particularidade!

 

Ao pormenor de cada pessoa…

 

Quando se pode gerar,  dois seres iguais;

Quando se pode gerar, dois seres diferentes;

Ou quando se pode gerar unicamente, um ser!

 

                                 

Ana… e os poemas que vêm da alma!

Pois se viessem do coração havia lágrimas  de comoção!

 

O Tempo não pára…

Quem pára somos nós, na nossa devida hora!

E os meus poemas continuam a brotar da alma,

pois o coração, só a mim pertence!

 E os meus poemas continuam a brotar da alma,

porque só entrego o meu coração, a quem eu desejo!

 

 


publicado por cancioneiro às 16:52

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quinta-feira, 1 de Março de 2007

Mais que um segundo

Acordei,

Imóvel…

esta noite!

Com um desejo de pensar…

de viver o tempo!

O céu estava  negro!

A noite cerrada!

Possuía ainda muito tempo para deslizar pela montanha de pensamentos

que me invadia  e que se atravessava na minha mente !

Esta  amizade,

este apego que ao acordar senti pela vida!

A vida pode ser divinal nem que seja por um segundo!

E por mais que um segundo,

desde ao acordar até ao amanhecer…

 a minha vida foi  simplesmente maravilhosa!

 

                           


publicado por cancioneiro às 21:09

link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 27 de Fevereiro de 2007

Desejo

Desejo brincar com as palavras como uma criança brinca com a vida à sua frente!

Desejo entoar palavras para criar uma canção, um poema… para muitos corações ou só um apenas!

Desejo perceber o mundo à minha volta e perceber as gentes que nele habitam!

Desejo entender as normas do destino e as injustiças que caem sobre nós!

Desejo sobretudo poder desejar…

Poder lutar contra todos os dissabores da vida!

Desejo só poder viver mais um  tempo ao ritmo que a vida me quiser impor!

 

 

 


publicado por cancioneiro às 21:33

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2007

Nascer e depois viver

 

Nasce-se para viver!

Respira-se para amar!.

Foge-se da inquietação para se poder continuar!

Comovente…

Comovemo-nos com o parto de uma mulher,

Com uma tarde de encanto,

Com um sol diferente do dia anterior…

Enternecedor…

Enternecemo-nos com  a magia das cores…

Com a alegria de um bom pronuncio

Com o olhar de um recém nascido

Acabado de vir ao mundo!

 

Enquanto que a vida… desperta-nos para tudo.

E nós só queremos olhar para a felicidade!

Mas a melancolia…

 A angustia…e a tristeza

Têm sempre um cantinho dentro da pessoa…

Ou então não éramos humanos!

 

 Na vida é difícil contrabalançar o bem e o mal!

Mas temos que prosseguir!

Mesmo com o  mal correndo nas nossas têmporas, já esgotadas!

Mas temos que avançar...

E é por isso que lutamos, arduamente,

Fielmente,

Corajosamente,

pela subida da caminhada da serenidade,

Também limitada,

Pelo meta da existência!

 

 

 


publicado por cancioneiro às 17:16

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 25 de Janeiro de 2007

Um poema

Poema.

Podia ser um poema de anjos e fadas ….assim como no teatro

ou como nos livros infantis!

Mas este poema é sobre mim!

Poema que conta a essência da naturalidade, pois natural me fiz!

Poema que conta a beleza

onde ela não nasceu para mim!

Poema  que canta a minha balada, 

sempre sendo o amor... o meu fim!

 Um poema com poema se canta.

Mas quando cantado com a alma, o poema encanta!

E um poema declamado por uma criança faz uma vida feliz!


publicado por cancioneiro às 16:33

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 24 de Janeiro de 2007

Amo

 

 

Pego no conceito amar,

e ele concebe-me a mim… a ti….!

Por mim… por ti….!

Eu consigo amar tudo …pelo tempo da minha vida!

Amo as horas em que estou triste;

Amo o meu fiel cão;

Amo a contemplação da vida;

Amo a chuva que estraga o dia;

Amo o sol mesmo em demasia;

Amo o sonho que não se concretizou;

Amo o encanto do acordar;

Amo o sorriso da alegria;

Amo...

Amo o solo em que piso…a minha terra… a nossa terra!

A terra que nós possuímos.

O tesouro do ser humano!

E à volta  as galáxias… os planetas…o universo!

E eu pego no conceito do amor e vejo que tudo o que existe tem origem no amor…

Porque tudo o que eu amo é amor?

Porque tudo o que nós amamos é amor!

Quanto à  maldade… já não sei o que é!

Espero que com o tempo se torne branda, e se consiga transformar em afeição e que se une aos sentimentos bons do coração! 

 

 

 

 

 


publicado por cancioneiro às 20:33

link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 21 de Janeiro de 2007

O sentido das coisas

Ao luar, dispo a alma de preconceitos...
Pela noite dentro, imortalizo a beleza das estrelas, venerando a escuridão do céu!
Ao amanhecer, irradio felicidade só de ver o sol despontar!
Sómente durante a tarde, acalmo a minha ansia de contemplar a perfeição da existência!

publicado por cancioneiro às 16:07

link do post | comentar | favorito
|

Agnes

Agnes, menina tão preciosa … que sorria  sempre para o sol…

Agnes…

Que esqueças a vida de outrora tão tragicamente perdida!

Que renovas os teus votos com a própria vida e fiques sua noiva eternamente!

Agnes, nome singelo, mas com uma alma tão difícil !

Agnes, simplesmente simples!

 

 

 


publicado por cancioneiro às 16:04

link do post | comentar | favorito
|

Lágrima

Uma lágrima escorregou

na minha face inconsolável!

Uma lágrima!

Simplesmente… uma lágrima deslocada ...

pois enquanto o meu espírito estava triste, essa lágrima contente estava!

 

 


publicado por cancioneiro às 15:51

link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2007

Amar

Amo!
Amo
 a sua presença e a sua distância!
Amo a sua naturalidade ao encarar 
todos os dias, os momentos dificies...
Amo a sua persistência ao saber que o fim está mais perto...
Amo porque me ama!...
Amo e amarei porque estarei sempre unida a esta força,
tão liberta,
 que só a corrente da vida, prende!

publicado por cancioneiro às 14:23

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 10 de Janeiro de 2007

Simplesmente ser

                           
 
 
Falava abertamente.
Palavras mágicas, saíam efusivamente,
Perturbadas, geladas.
Descreviam o seu medo, do mundo… das horas… do tempo!
Enrolavam-se nas ondas do pensamento.
Saiam dele, nuvens estreladas,
Belezas de montanhas, montes e rios.
Amava a segurança,
De se sentir segura.
Cunhava no ferro a sua postura!
Falava de si, deles e de todos.
Falava da solidão.
Até a solidão de quando se está com pessoas!
Falava da grandeza dos sentimentos,
Das almas que se dão por amor, a outras!
Falava…
Falava…
Falava abertamente…
Pois falar era a única coisa que sabia fazer na temporalidade da vida”
 

publicado por cancioneiro às 20:51

link do post | comentar | favorito
|

Posso

Posso…

 

Posso sentir beleza ao olhar para o céu enevoado, deste Inverno rigoroso.

Posso sentir imensidão ao pensar no mar  do meu Portugal querido.

Posso sentir compaixão ao ver  todos os que pedem na rua: um pouco de calor …um pouco de sentimento para tapar o vazio, que ninguém imagina que alguém possa experimentar!

Posso sentir-me acarinhada… basta um olhar mais fundo

                                             basta uma palavra mais generosa

                                             basta um sorriso verdadeiro

Posso sentir-me amada.

Eu vivo o amor como se vive uma amizade.

Eu vivo o dia a dia como se respira,

naturalmente…

sem fantasias!

 

Posso amar quem queira…

Posso odiar o melhor e adorar o pior!

 

Posso ajudar quem quiser ajuda!

Não tenho medo do sofrimento  … já vivi a dor!

E quem não conviveu  ainda com a amargura!

 

Posso gostar de tudo!

Posso não gostar de nada!

Mas não posso ter tudo o que quero!

Mas ninguém pode neste mundo!

Somente há pessoas que podem ter mais... ou muito mais que outras!

 

Para mim,

viver não significa ter!

Para mim,

viver significa ser!

 

 

 


publicado por cancioneiro às 17:52

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 5 de Janeiro de 2007

Nascimento

Finalmente...nasceste!
Ao nasceres
ofereceste-me o sonho que eu sempre sonhara!
Ao nasceres
concedeste-me a paz na minha alma!
Ao nasceres
amei como nunca jamais pensei amar!
Ao nasceres
nasci outra vez !
                
                

publicado por cancioneiro às 18:18

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Quarta-feira, 20 de Dezembro de 2006

A maré

A maré neste momento está azul!
Já a vi verde, cinzenta,
ou esbranquiçada, quando o mar está muito revolto!
Como brinco todos os dias à beira mar,
estou habituada à frieza da água!
Por isso por vezes deixo escapar entre os dedos, as conchas mais belas que já vi na minha vida!
 Fico tão triste,
que choro!
 As minhas lágrimas fundem-se com o oceano!
 De repente eu irrompo por ele dentro.
Mancho as minhas roupas de sal.
Seco a cara do chorar.... e entro em união com a paz ,
embalada pelas ondas
aquecida pelo sol
amada pela vida
querida pelo destino
sofrida por querer mais!

publicado por cancioneiro às 18:40

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 10 de Dezembro de 2006

A magia da vida entrelaçada na noite

A noite, enfim
 serena e escura,
pousa nas nossas vidas!
Depõe suavemente na minha, 
a tranquilidade que mereço
no  final de um dia!
A noite
oferece-me o sono e eu concedo-lhe o sonho!
 

publicado por cancioneiro às 19:46

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Sábado, 9 de Dezembro de 2006

Desde pequena

Luto!
Luto porque  os meus pais me ensinaram a lutar...
Luto, pela dor!
Luto pelo paz!
Luto... pelo riso e pelo bem estar!
Luto, sendo simplesmente, eu!
E eu sou, com os defeitos de uma mulher que sou, o amor personificado!

publicado por cancioneiro às 17:15

link do post | comentar | favorito
|

Porquê?

Quando a brancura da pedra,
do meu terraço soalheiro
me pareceu mais branca...
Quando o raiar do sol
se itensificou...
Quando a minha rosa
brotou mais rosa ainda...
Quando tudo o que me rodeava
 brilhou...
Apercebi-me, então, que era eu quem me sentia mais bonita!

publicado por cancioneiro às 16:47

link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 19 de Novembro de 2006

Uma fábula moderna

Pequena narração
Contada em forma
de fábula
de lendas
Onde o sentido da mitologia
         impera
A literatura das fábulas
Mas contadas nos nossos dias
Criada na fantasia
no devaneio
na ascenção
na beleza
e no encanto
                      de um imaginário!

publicado por cancioneiro às 15:26

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Anseio

Poente revelador
De um estado de espírito
Magoado e irrequieto
Nas cores quentes desse poente vejo o ínicio da felicidade
Que anseio...
A felicidade, já a construi
Agora basta moldá-la a mim!

publicado por cancioneiro às 15:18

link do post | comentar | favorito
|

Eu

Rio, para o mundo...
Encontro caricias,
                                  pessoas afáveis.
Rio,
Aparentemente sem graça.
Encontro,
                   desejos sôfregos de tranquilidade.
Rio e a rir
Me encontro.
                           Seduzo o inexplicável!

publicado por cancioneiro às 15:13

link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 18 de Novembro de 2006

Pinceladas

Gosto simplesmente
de pintar,
Histórias de seres,
rostos,
complexos
diferentes entre si.
Gosto simplesmente
de pintar,
a ternura,
o amor,
a simpatia
e todos os sentimentos,
existentes...
de faces fugidias,
inconstantes e incompreendidas
                                                                  vidas que lutam pela vida!
Gosto simplesmente
de pincelar
rasgos de estrelas,
luas distantes,
planetas desconhecidos,
terras desabitadas...
vagas desmedidas das marés vivas,
do nosso mar!            

publicado por cancioneiro às 14:31

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Adoro

Adoro a simplicidade de um gesto!
Adoro a espontaneidade dos sentimentos!
Adoro a franqueza dos actos!
Adoro a vivência das relações!
Adoro a concretização de um desejo!
Adoro o esforço do bem!
Adoro o nascimento!
Adoro a Vida!
Odeio a Morte!

publicado por cancioneiro às 14:26

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 17 de Novembro de 2006

Mãe

A palavra mãe
Palavra da verdade eterna
Palavra do amor
Da afeição
Da ternura
                            infinita.
Palavra poética
Da brancura mais quente, de um coração gélido.
Mãe
Palavra religiosa
Da religião mais coerente
Que existe.
Mãe
Ser adorado
Por toda a humanidade
Mãe
As três palavras
Maiores do universo iluminado
E da Terra
Amada!

publicado por cancioneiro às 22:34

link do post | comentar | favorito
|

Sofia, nome de uma Ana menina

Sofia,
Nome de uma Ana.
Olhar de estrela
Canção de menina.
Sofia,
Teimosa
Conquistadora
Metediça.
Sofia,
Bonita
Doçura.
Sofia,
Temperamento forte
linda ao vento,
neste dia!

 


publicado por cancioneiro às 22:26

link do post | comentar | favorito
|

Cor

O azul
transmite-nos a beleza,
                                             leve...
Os seus tons azulados comunicam-nos subtilezas de expressão.
O azul é bonito
na sua própria essência.
O azul retrata a cor... de uma indía, ou de uma áfrica,
                                           
de um  oceano,
                               nas profundezas da sensibilidade.
Azul
cor inseparável da formusura|

publicado por cancioneiro às 22:10

link do post | comentar | favorito
|

A cor do céu

A cor do céu pálido
Atraiu-me a atenção!
Olhei para aquela cor azulada,
parecendo cristais
                                    mas baços,
E algo me disse que o céu, naquele dia,
estava repleto de magia!
Estava como que encantado,
Seduzia até a beleza mais feia,
Parecia uma feiticeira, um mago...
O céu naquele dia estava extraordinário!

publicado por cancioneiro às 22:01

link do post | comentar | favorito
|

Ana

 

Ana
Vestida de renda branca
Pura imaculada
Ana
Natureza meiga
Estrela prateada
Que  vagueia
No céu estrelado
Ana
Simplicidade nata
Caminha
                       lado a lado
Pela estrada do amor
                         Com o seu amado
Ana
Que uniu matrimónio
Num dia solarengo
Com o seu magestoso vestido pérola
E a beleza
                     toda ela evidenciada
Pela sua brancura
E seus olhos azuis
                                       suaves
Ana
Que espera da vida
Mais do que esperança!
Amor eterno!

publicado por cancioneiro às 21:48

link do post | comentar | favorito
|

canções do mar

O mar pela noite fora, vai sussurrando canções para embalar as suas ondas, umas já adormecidas, outras ainda suspirando pelo sono que não cHEGA

 
No mar, as ondas nasciam cada vez mais selvagens.
 Revoltas numa zanga, entre mundos sem fim!
No mar azul
Todos os seus habitantes se escondiam, temendo guerras de espadas e armas!
E eu, sentada numa rocha,
protegida,
 de toda aquela força, olhava a tempestada maravilhada!
 

publicado por cancioneiro às 21:30

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 16 de Novembro de 2006

AO MEU IRMÃO

È COMO POR MAGIA QUE A ARTE IRROMPE, EM CERTAS VIDAS, CONSEGUINDO ALCANÇAR O INTERIOR MAIS PROFUNDO DA EXISTÊNCIA HUMANA!


publicado por cancioneiro às 19:02

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds