.posts recentes

. O poder das palavras

. A beleza

. Simplesmente nascendo

. o Termo

. A temporalidade da vida

. Sentir

. Recomeço

. Olhos nos olhos

. Os meus amados

. o mar e eu

. Tudo e tudo

. Numa madrugada

. Lágrima

. O meu amor pela vida

. Solidão

. Acabará sempre

. Poemas escritos em prata

. As horas

. A arte nas estrelas

. Poema pequeno

. Desejo

. E tudo o resto

. O que é senão a vida!

. Mais que um segundo

. Desejo

. Nascer e depois viver

. Um poema

. Amo

. O sentido das coisas

. Agnes

. Lágrima

. Amar

. Simplesmente ser

. Posso

. Nascimento

. A maré

. A magia da vida entrelaça...

. Desde pequena

. Porquê?

. Uma fábula moderna

. Anseio

. Eu

. Pinceladas

. Adoro

. Mãe

. Sofia, nome de uma Ana me...

. Cor

. A cor do céu

. Ana

. canções do mar

.arquivos

. Março 2009

. Agosto 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Março 2008

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

Sexta-feira, 29 de Agosto de 2008

A beleza

 

 

Brincos de pérolas

Transparentes

Cintilantes

Que adornam um rosto

 

Fatigado de ser tão belo

Alcança o limite

Relaciona a beleza

Lecciona a perfeição

 

 

Lindamente bela

Harmonia em todas as formas

Desperta desejos

Desperta os sentidos

 

Nobre

Excelente

Magnifico

Não

Linda é a palavra

Bela é a razão

 


publicado por cancioneiro às 19:37

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 28 de Agosto de 2008

Simplesmente nascendo

O nascimento é  fruto do amor!

 

No prolongamento do tempo

Forma-se um ser

Dentro do ventre da mulher!

 

Nos contornos das festas,

no seu ventre querido,

a mulher,

ama aquele feto,

deseja-o com a intensidade de um raio,

saído de um temporal!

 

Com o Parto,

 quebra-se a espera!

 

Com o Nascimento

começa um novo tempo!

 

 

 

Com aquela dor...

nasce um ser!

Com aquela dor a mulher torna-se mãe!

 

                          E com aquela dor cresce o Amor!

 

 

 

 

                                        

 


publicado por cancioneiro às 18:18

link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 14 de Agosto de 2008

o Termo

                                     Vivo porque o tempo não para

                                                Quando parar

                                         Estranhamente, paro só eu!

                                        O rebuliço, na terra, perdura!

                                         Só a minha vida foi levada

                                         E com ela foi até o ”nada” !


publicado por cancioneiro às 14:01

link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 13 de Agosto de 2008

A temporalidade da vida

Agora, ainda que sou vida,

Nesta terra desmesurada…

Sinto o cheiro do ar,

que rodeia o meu corpo!

Vejo a luz ténue que surge da minha janela, enquanto acordo, de mansinho!

Depois passeio descalça para sentir a chuva miudinha, que vai caindo continuamente.

E assim

Escuto o ruído da minha alma…

Ouvindo o som do silêncio!

 

                        


publicado por cancioneiro às 16:01

link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 8 de Agosto de 2008

Sentir

Quando se é sentimental

Tem-se  uma aptidão especial para se sentir…

Sentir, de maneira diferente,

O franzir de um nariz arrebitado, numa cara bonita,

O sabor do sal do mar português,

Uma patinadora na sua beleza construída,

O enrolar de uma onda mansa e atrevida,

A barriga despida de uma gravidez no final do tempo…

Sentir até o vento do seu próprio sentir,

Sentir, a sua respiração e o seu sentir, separadamente.

Sentir, qualidade inata do ser

Onde tudo se pode tornar credível,

Tudo até o imaginável!

 


publicado por cancioneiro às 15:33

link do post | comentar | favorito
|

Recomeço

 

   É só um começo… leve…

 

 

 

Deixar voltar a soprar palavras que nascem dentro de mim!

Que declamam a melodia

Que dão formam à novidade

Que coloram a brancura das almas

Que , fundidas, retiram o desbotado das imagens

Deixar… criar o que me vai cá dentro!

  

 

 

       Tanto posso chorar como rir à velocidade do vento!

       Tanto as palavras podem magoar como comover corações!

       Tanto podem significar algo como serem vazias, como o eco da existência!

 

 


publicado por cancioneiro às 15:30

link do post | comentar | favorito
|

Olhos nos olhos

                          

 

Aqueles olhos azuis

Estremeceram

Ao olharem para a inocência de mulher…

Que passava

Nesse momento

Naquela rua

Onde se encontrava por puro mero acaso!

 

Aqueles olhos castanhos

Simples castanho,

Sobressaltaram-se…

Quase choraram

Quando  a perfeição de um homem

Passou a seu lado

 Com uns olhos azuis…

E lhe tocou na alma!

 

Dois olhares!

Em silêncio!

 

A beleza e a candura a amarem-se

Mutuamente em segredo!

 

Escondidos dento de si…

Amordaçados sem saber que havia uma verdade

Que podia vingar!!

 

 

 

 

 

 

 

Enfim…

O belo não soube que a candura feminina que passou

Por um minuto

Naquela rua

O amou

A inocência desconheceu

Que aqueles olhos azuis,

Que se cruzaram com os seus…

E que ela  tanto desejou

Olharam para ela

E veneraram-na!

 

Todos estes sentimentos

Em vão…!

 

Porquê?

Porque por vezes

Ao nosso lado encontra-se a nossa alma

E não nos apercebemos que a temos tão perto!

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado por cancioneiro às 15:23

link do post | comentar | favorito
|

Os meus amados

Amor eterno

 

Quando os meus amados

partirem

eu me deitarei…

e em todos os amanheceres

e em todos os entardeceres

e em todos os anoiteceres

eu esperarei para ir também!

 

 

 


publicado por cancioneiro às 15:17

link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.Fazer olhinhos

blogs SAPO

.subscrever feeds